peter_painz

Cringe Compilation
Ad 2:
2019-04-24 00:00:00 (UTC)

Wounded Lovebug

O amor, a doença mais primordial e necessária na natureza do ser humano, e que mesmo nos dias de hoje contínua a provocar estragos das formas mais convencionais possíveis, e é responsável pela "dor" infinda e melancólica que dá origem à plenitude dos mais main stream concepts transpostos na sociedade. Mas porque raio é que uma reação química desencadeado no nosso cérebro que tem o propósito evolutivo de converger os seres vivos para acasalarem com base na atração física e psicológica advinda das concentrações hormonais presentes no organismos (É a oscilação nestas substâncias que define também a homossexualidade e a sensação de estar presente no corpo errado, por isso sim, é algo natural. Suck on that religious brats.) consegue provocar tanta tristeza e frustração de uma forma irracional? Se alguém estiver a ler isto neste momento e estiver a passar por uma fase complicada por sentimentos não correspondidos, seja porque a pessoa que gostas não quer saber de ti, seja porque saíste recentemente de uma relação forte ou por outro motivo análogo, então acredito que este texto possa ser essencial para ti.
Agora falando em amor não no sentido com que introduzi o tema, mas sim da paixão, que se refere à emoção trazida pelo amor e que desenvolve a natureza estética e artística do ser humano e que deixa uma marca na alma de cada um, mesmo depois do desvanecimento da chama do sentimento em prol do avanço temporal ou das cirunstâncias.
As memórias de uma paixão nunca passam, elas guiam, influenciam e estão presentes mesmo depois da fonte de estimulação desencadeante ter secado, e qualquer pessoa que sente genuinamente uma paixão sabe que deixa marcas na sua identidade. Estes efeitos prevalecem porque este sentimento é espiritual por natureza, e uma pessoa que não consiga progredir em algo com base no amor não tem esperança, está morta por dentro. Já pensaram neste sentimento? O que vos faz ler um livro que gostam, ver uma série, escrever, ou fazer qualquer outra atividade criativa, isso é paixão derivada do amor, são estes sentimentos advidos de memórias que adquirimos ao longo da nossa vida que nos elevam a novos patamares, que nos fazem progredir no que gostamos. A força maior do amor pode transpor-se de uma forma intensa e desvanecer pouco depois, como uma fogueira que após apagada deixa os restos da madeira queimada ao relente, deixa marcas que evidenciam que a reação findou, mas deixa espaço para algo novo, para uma paixão ainda mais sentida.
Pensem em tempos felizes da vossa vida, num velho amor e deixem a vossa alma embebida nas belas memórias que este vos trouxe, isto vai acalmar a vossa mente e suavizar a influência das preocupações que possam ter atualmente, vai ser como uma forma de escapatória à realidade, e quem sabe possa tornar-se em algo inerente à vossa mente durante este período de fuga temporária, que pode mudar o estado espiritual da vossa vida.
Se acreditas que és um/a azarado/a por amares e não seres correspondido/a, tira esse pensamento da tua mente neste momento. Se tu amas verdadeiramente, nunca poderás perder tudo. O amor é extravagante e temperamental com uma natureza efémera e transitória, é um sentimento que vem "quando lhe convém" e parte sem um aviso. Aceita e aproveita enquanto ele está no auge, mas não percas tempo a preocupar-te quanto à sua partida, a preocupação nunca o trará de volta.
Rejeita também o pensamento que os sentimentos do amor nunca voltam mais que uma vez, o amor pode surgir e desvanecer vezes e vezes sem conta, mas não há duas experiências que tenham o mesmo efeito em ti. Provavelmente há uma experiência amorosa que amorosa que deixou uma marca mais profunda em ti, mas todas estas experiências são benéficas, exceto para uma pessoa que se torne cínica e ressentida quando o amor parte ou não é correspondido. Tira o que houve de bom e progride, se te sentes em baixo provavelmente não te apercebes que o que estás a sentir pode ser um degrau importante para subir em busca de novos patamares.
Não deveria haver qualquer sentimento de desapontamento acerca do amor se percebêssemos a diferença entre o amor como reação química evolutiva e paixão. Um termo baseia-se no sexo que é biológico, e o outro baseia-se em princípios espirituais. Nenhuma experiência que deixe uma marca no coração enquanto força espíritual poderá ser nociva, caso contrário não passará de mera ignorância ou inveja.
O bottom line é, se sentes amor tens uma sorte do caralho! És racional, tens espiritualidade, já pensaste em tudo o está por detrás da tua existência? És fruto de um monte de coincidências astronómicamente improváveis, aproveita para canalizar esses sentimentos para algo benéfico e não fiques preso a uma só coisa, se é algo que está a ser prejudicial, abre os teus horizontes e parte à descoberta! Tens uma vida para viver, aproveita.
-Haja saúde.


Ad:2